Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

19
Jun16

Albânia 1-0 Roménia : vitória histórica poderá valer qualificação!


Pedro Varela

goloAlbania.jpg

 

Roménia e Albânia entravam para a última jornada com aspirações ligeiramente diferentes para seguir em frente na competição. A Roménia com uma vitória sobre a Albânia e derrota da Suíça diante da França poderia qualificar-se directamente. A Albânia com uma vitória esta noite teria sempre de esperar pelo fecho dos outros grupos para saber se consegue qualificar-se para os oitavos de final.

 

Iordanescu procedeu a quatro substituições, duas delas por lesão Rat e Pintilli, entraram Matel, Hoban, Alibec e Stanciu. O objectivo era claro: lutar pela vitória.

Do lado Albanês, podia regressar Cana, o central que esteve castigado e eventualmente Xhaka, mas a única alteração acabou por acontecer no meio campo com a troca de Kukeli por Basha.

 

A Roménia dominou o jogo como seria de esperar. Mais posse de bola, mais passes concretizados, a ocupar mais terreno que o seu adversário, mas, na realidade houve pouca objectividade na hora de atacar a baliza. Tiveram a primeira oportunidade de golo do desafio, aos 7' por Stancu. O problema é que se alguém fez por marcar nos primeiros quarenta e cinco minutos foi a Albânia. Aos 22' uma incrível perdida por Lenjani, de baliza aberta após assistência de Lila, depois Memushaj com excelente remate a pôr à prova Tătăruşanu, até que aos 43' aparece o golo por Sadiku, a premiar a selecção que mais procurou por este momento. Escrevia-se uma nova página no futebol albanês, o primeiro golo de sempre no Europeu!

 

A segunda parte começa com a alteração no meio campo romeno, Iordanescu colocou Lucian Sânmartean e o sentido do jogo não se alterou muito. A baliza de Berisha era o destino, mas, tal como no primeiro tempo, a eficácia era nula na hora de atirar para o fundo das redes da Albânia.

Os Albaneses passaram a jogar no risco, a partir para o contra ataque pelo seguro e na verdade voltaram a ter as melhores oportunidades. O aviso veio de Memushaj aos 62'.

Só a 15 minutos do fim aparece a melhor oportunidade da Roménia, Andone após uma incursão pela direita, entra na área e atira com estrondo à barra da baliza defendia por Berisha que não tinha hipóteses de defesa. Foi o canto do cisne!

A partir daí a Albânia esteve sempre no controlo do jogo e Mavraj podia ter arrumado a questão a 5 minutos do final de jogo.

 

A Roménia com a derrota de hoje pode fazer as malas, desiludiu num jogo que se esperava muito mais. A Albânia depois da vitória histórica terá que esperar pelos outros resultados dos diferentes grupos, não será fácil qualificar-se com 3 pontos e -2 golos de diferença. Mas, ainda é possível!

 

Homem do jogo: Ledian Memushaj

 

15
Jun16

Roménia 1 - 1 Suíça: Ia Ser Bom, Não Foi


J.G.

540420142.jpg

Um jogo que tanto prometeu e acabou a saber a desilusão. Quarto empate neste Europeu a abrir a 2ª jornada do grupo A . 

Fazendo uma ponte para a estreia das duas equipas, a Roménia entrou com vontade de fazer esquecer a injustiça que sentiu naquele golo tardio de Payet que anulou o factor surpresa que ia acontecendo. O técnico Iordanescu optou por mudar quatro jogadores com óbvia intenção de dar mais dinâmica ao seu ataque. 

Mesmo assim, foi a Suíça que arrancou melhor. Embalados pela vitória contra a Albânia, os helvéticos apresentaram o mesmo onze e procuraram chegar ao golo cedo como no seu primeiro jogo. Mas a resposta dos romenos foi boa e aos poucos conseguiram tomar conta do jogo.

Pareceu-nos que a Suíça acusou em demasia o conforto de já ter três pontos e acabou por sofrer um golo da mesma maneira que a França. O experiente capitão Lichtsteiner foi apanhado a puxar a camisola de um adversário na área e o árbitro deu o segundo penalti da prova aos romenos. Bogdan Stancu confirmou ser especialista e voltou a converter o penalti passando a ser o melhor marcador do torneio.

A partir dos 18 minutos Suíça passou a dominar o jogo e a Roménia optou por uma pose expectante espreitando o contra ataque. Até ao intervalo manteve-se a vantagem dos vermelhos.

 

Na 2ª parte temeu-se que as várias ocasiões criadas, especialmente por Xhaka, não chegassem para anular a desvantagem suíça. Já na primeira parte o avançado Seferović tinha mostrado falta de qualidade na finalização, e isto já é dizer tudo sobre um ponta de lança. A Suíça foi uma evolução de decepções com Shaquiri à cabeça. A imagem que ilustra o texto é bem simbólica da falta de acerto da estrela suíça, um pontapé de bicicleta inofensivo. Do banco também não vieram melhores notícias. A nossa aposta para revelação, o jovem talentoso Embolo, tem entrado muito ansioso e nervoso acabando por anular as tentativas em desequilibrar. 

O golo do empate veio no forte pontapé no meio de um cacho de jogadores na área, Mehmedi carimbou uma jogada que é um hino à globalização. Djourou, nascido na Costa do Marfim, fez o passe para Mehmedi, nascido na Macedónia, dar o golo para a ... Suíça.

 

Tendo em conta que a Roménia em 14 jogos (não contando com este) em Europeus só tinha ganho por uma vez, já se esperava que o empate se mantivesse até ao fim. Pior para os romenos, que ficam só com 1 ponto, menos mau para a Suíça que soma 4 mas tem que defrontar a França a seguir. 

Podia ter sido um jogo muito bom, acabou por ser o jogo normal destas selecções em Europeus, mediano.

 

Melhor em Campo: Xhaka

10
Jun16

França 2 - 1 Roménia: Payet Resolve


J.G.

13435757_10153609954295423_1205597692_n.jpg

Dimitri Payet, nascido em Reunião, território ultra marino francês no oceano Indico, deu um golo, resolveu o jogo e saiu a chorar de felicidade do relvado deixando a França em êxtase. À atenção de Marine Le Pen.

Foi uma vitória emocionante e inesperadamente suada para os organizadores do torneio que estiveram perto de perder pontos na estreia. No meio de tantas estrelas, foi o homem do West Ham a resolver uma equação que se tornava cada vez mais complicada.

A Roménia preparou muito bem o jogo, a experiência do seu treinador, Iordanescu, valeu uma exibição muito bem conseguida. E nem foi uma equipa exageradamente defensiva, teve as suas oportunidades e conseguiu equilibrar o jogo anulando os desequilíbrios franceses.

Por seu lado, Deschamps ficou refém de um meio campo demasiado musculado e trabalhador. Só Payet era esclarecido a atacar, Griezmann esteve muito apagado e Giroud demorava a acertar com eficácia na baliza, apesar de algumas boas oportunidades para marcar.

Quando parecia que a França estava condenada a alargar a frente de ataque e arriscar mais no jogo, aparece um cruzamento de Payet para a cabeça de Giroud que foi mais forte nas alturas do que Tatarusanu com as mãos e o golo caía, literalmente do céu, para a França.

Parecia que o problema estava resolvido mas os romenos mostraram muita determinação e chegam ao empate de penalti. O 4º num jogo de abertura de Euro e todos contra os anfitriões. Stanciou sacou a falta ao veterano e ingénuo Evra, Stancu estancou a alegria gaulesa e empatou o jogo.

Estavam jogados 65' e voltava tudo a complicar-se para os azuis. Deschamps lançou dois dos mais novos jogadores de sempre a representarem a França num Europeu, Coman e Martial, para ganhar velocidade, improviso e soluções de ataque. 

Mas foi o hammer Payet que mandou uma autêntica martelada no jogo com um pontapé formidável fora da área e com nove romenos atrás da linha da bola! Um golão que deu a vitória a França de uma maneira épica. 

Boas indicações deixadas pela organização romena, Pinitilii e Hoban muito fortes na zona defensiva do meio campo, Stancu e Stanciu muito activos e com boas iniciativas. Na França, os destaques vão para Kanté, incansável na recuperação de bola, Giroud porque acaba sempre por marcar como tem acontecido nos últimos cinco jogos da França, e , claro, Payet que ficará imortalmente ligado a este jogo inaugural do Euro 2016.

 

Melhor em campo: Dimitri Payet

 

 

 

03
Jun16

Grupo A: Roménia


J.G.

  • Fifa ranking 22 
  • Grupo 
  • Treinador Anghel Iordanescu 
  • Primeiro Jogo França 

 

  

 

Em 2014 o futebol romeno resolveu chamar de volta Anghel Iordanescu, o homem que liderou o Steaua de Bucareste que surpreendeu o mundo do futebol nos anos 80 e que levou a selecção romena ao topo das preferências dos românticos da bola com a inesquecível participação no Mundial 1994. 

Depois de uma década afastada dos grandes palcos, a Roménia regressa ao convívio com as melhores selecções mas não se espere um futebol de encantar porque já não há mágicos como Hagi. Iordanescu é agora um treinador realista apostado na solidez defensiva do seu 4-2-3-1 que levou a Roménia a França sem perder nenhum jogo na fase de qualificação e só com dois golos sofridos.

O registo é assinalável mas a qualidade dos adversários não impressionou, a Irlanda do Norte até venceu o grupo. 

Espera-se uma equipa bem organizada de trás para a frente com destaque para o guardião Tatarusanu da Fiorentina e o central Vlad Chiriches do Nápoles, que passou pelos juniores do Benfica. 

As esperanças atacantes estão no jovem Nicolae Stanciu e em Florin Andone, que há muito prometem voos mais altos do que Steaua e Córdoba, respectivamente. Há reais possibilidades de apuramento na luta com Albânia e Suíça.

  

Craque

Vlad Chiriches

É a figura simbólica desta equipa de Iordanescu forte a defender. Chiriches tem a experiência da Serie A pelo Nápoles aliada à moral com que enverga a camisola do seu país. Forte no jogo aéreo, bom na antecipação, autoritário no desarme e confiante a sair com a bola para o ataque, é a referência defensiva da equipa.

 

Revelação

Florin Andone

Tem o curioso trajecto de ter emigrado para Espanha muito novo onde tem feito carreira de baixo para cima. Sempre fez questão de jogar pelo seu país de nascença apesar de ter sido bem recebido em Espanha. Fez grande época na segunda divisão espanhola pelo Córdoba revelando-se goleador e pronto para o previsível salto para uma equipa da Liga principal. Com 23 anos, esperam-se de Andone golos que levem a Roménia mais longe.

 

Onze Tipo:

Tatarusanu; Sapunaru, Chiriches, Grigore, Filip; Pintilii, Hoban; Popa, Stanciu, Stancu; Andone.