Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

15
Jun16

Rússia 1-2 Eslováquia: Às costas de Hamsik e Weiss!


RSolnado

 

Ao segundo jogo surgiram os craques da Eslováquia a carregar a equipa para uma vitória muito sofrida e que os deixa na rota da qualificação, e a Rússia obrigada a ganhar a Gales na última jornada.

Os russos mantiveram o mesmo 11 do primeiro jogo, os eslovacos apresentaram três alterações, uma em cada sector. O jogo começou a bom ritmo, cedo de se percebeu que a Eslováquia sabia que nada tinha a perder depois da derrota do primeiro jogo, e que a Rússia ia procurar ser um pouco mais afoita do que no jogo de estreia, muito por culpa da acção solista de Shatov.

Mas apesar do bom ritmo a primeira meia-hora não teve oportunidades de golo clara, as equipas tinham dificuldades em chegar à área contrária e os tiros exteriores não levavam perigo. Aos 28’ numa transição rápida, Shatov serviu Smolov que rematou forte e tirou tinta ao poste da baliza contrária.

A Rússia voltou a desiludir, num modelo de jogo demasiado obsoleto em que um meio-campo sem o lesionado Dzagoev deixa tudo para Shatov – Golovin é um menino e ainda não está pronto para assumir a batuta do jogo, Neustadter chegou este ano à Selecção. E sobretudo este ataque com 3 avançados centro, 2 mais móveis sobre as alas e o armário na frente, não tem imaginação, não tem improviso. É certo que falta Cheryshev por lesão, mas no banco estão Samedov, Torbinsky ou Ivanov, podem não ser grandes jogadores mas são extremos.

A Eslováquia fazia o seu jogo à espera do momento para aparecerem as suas estrelas maiores. E de que forma… aos 32 minutos Hamsik recuou no terreno fugindo com sucesso à marcação, e a 40 metros lançou a bola no espaço para Weiss que correu e dominou, com dois defesas a chegar cortou para dentro (os defesas foram ambos à queima e ficaram fora do lance), preparou e atirou de pronto. Belo golo! Primeiro remate à baliza por parte dos eslovacos e golo!

Nos minutos seguintes a Rússia não esboçou reacção e parecia estar desejosa de chegar o intervalo. Só que entrou em modo intervalo antes do apito de Skomina… Em cima dos 45, canto para a Eslováquia, tudo a dormir na defesa contrária, Weiss a bater curto em Hamsik que entrou pela lateral da área, puxou para dentro e enviou um bilhete para a baliza de Akinfeev, um tiraço com bola a fugir para o poste mais afastando, embatendo mesmo no ferro antes de entrar na baliza, sem qualquer hipóteses de defesa. Sem dúvida candidato a golo do torneio.

Para o segundo tempo pedia-se mudança radical na equipa russa, do banco veio o sinal com a troca do duplo pivot. A tendência de jogo mudou, como seria de esperar. Iniciativa da Rússia, mas sempre com irresolúveis problemas na criação e a Eslováquia na expectativa a espreitar o contra-ataque, que também não deu grandes frutos.

O jogo foi correndo, com o passar do tempo percebeu-se que o esforço dos eslovacos na primeira parte estava a custar caro, a equipa ia recuando em demasia no terreno, mostrando alguns nervos associados à falta de pernas. Aos 80’ e já depois de entrar Shirokov, a Rússia fez o golo, no seu único remate na direcção da baliza na segunda parte. Tudo começou num mau alivio de Durica contra Smolov, Shatov correu para ganhar o ressalto e depois de uma excelente tabela com Shirokov cruzou para Glushakov cabecear à matador.

Faltavam dez minutos, tempo em que a Rússia despejou, sem efeitos práticos, bolas de forma sucessiva para a área contrária. Vitória sofrida da Eslováquia, que caiu muito da primeira para a segunda parte, confirmando-se também o que já se sabia: estarão demasiado dependentes de Hamsik para ganhar qualquer jogo.

Melhor em campo: Marek Hamsik