Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

11
Jul16

Portugal 1-0 França, visto por Pedro Varela


Pedro Varela

546280178.jpg

 

O árbitro apita, o jogo termina e Portugal é campeão da Europa em futebol. Gritos, meus e dos amigos com quem via o jogo. Olho para o lado e está a minha mulher que fazia anos nesse dia. Sorri-o, dou-lhe um beijo e digo "até logo, vou festejar para a rua!"

Era impensável ficar em casa a ver a festa pela televisão. Naquele momento só pensava no raio do dia em que estive para comprar o bilhete para a final, há uns meses. Mas, como muitos Portugueses, no fundo, no fundo, eu não acreditava que era possível Portugal estar ali em Saint-Denis, coração de Paris, a festejar um dos mais importantes títulos do desporto mundial.

 

Por isso, tal como o tinha feito feito há dias quando vencemos a meia final, os parabéns, os primeiros, vão para Fernandos Santos, uma espécie de Dom Quixote, onde as suas fantasias eram desmontadas pelas nossa, dos adeptos, realidade. Mas afinal, nós é que fantasiávamos e ele é que nos trouxe à realidade. A realidade, dura e crua para os franceses, mas tão gostosa em que Portugal é o campeão da Europa de futebol.

 

Antes de sair de casa, telefona-me o meu avô. Responsável por eu ser tão doente pelo futebol, "Pedrocas, não pensei que estaria por cá neste mundo para ver isto. Festeja meu filho que bem mereces porque tu adoras o futebol!"

 

Voltando aos festejos. Desço as escadas e avanço para o carro para apanhar o meu pai. amos estacionar o mais próximo possível da Ponte Luiz I, entre Gaia e Porto, e depois a pé vamos percorrer as diferentes artérias principais destas duas belíssimas cidades onde ocorrem os festejos. Começo em Gaia e posso garantir que não me lembro de ver um festa tão grande nestes 40 anos que por cá vivo. O S. João, ou os festejos dos títulos do Porto são sempre enormes festas, mas ontem tudo era diferente. Pequenos, graúdos, de todos os credos futebolísticos, juntos a uma só voz, numa celebração absolutamente fantástica. Avanço de Metro para o Porto. Parecia uma sardinha enlatada, felizmente era apenas uma estação. Mas na curta viagem percebia-se a emoção de todos a falar da magnífica vitória.

 

Começo a subir as escadas da linha para a rua, cânticos, cânticos e mais cânticos. Mas vejo um casal de namorados, sem sorriso, sem festejos a caminhar pelo meio de todos. Não devem gostar de futebol, tenho pena deles!

 

As ruas do Porto no eixo S. Bento, Aliados, até à Câmara do Porto, estão completamente lotadas. Que festa incrível. Dança-se, canta-se, festeja-se, olha-se para o ecrã onde os jogos passaram, agora sem som da emissão, e fica-se a olhar para os lances de golo, do Ronaldo a chorar, da traça a pousar na sobrancelha, do Éder a marcar e a festejar o golo, do Fernando Santos a falar, e mesmo sem se ouvir o que ele está a dizer, são muitos os que estão a olhar para ecrã. 

Eu paro e olho durante uns segundos para a multidão e penso, "será isto mesmo verdade?". Sou um doente por futebol, pelo meu clube e, como disse no primeiro texto aqui no Parque, adoro a Selecção. Ontem, passadas umas horas depois da vitória ainda me custava a acreditar que éramos, finalmente, campeões da Europa. 

 

Eu estive na Luz em 2004. Aliás, nesse ano vi 10 jogos ao vivo do Euro. Foi absolutamente épico. Para o bom, pela festa que esta competição traz a um país. Convivi com pessoas de diferentes nacionalidades e falava-se de tudo um pouco. Para o mal, esse jogo na Luz contra os Gregos, que ditou a nossa derrota num cenário quase imprevisível.

 

Essa derrota estava atravessada na minha garganta, eu sentia uma dificuldade incrível de respirar sempre que via os jogos da Selecção e pensava nesse fatídico dia. Ontem, o título, a vitória, esta união entre os 23 jogadores, equipa técnica, emigrantes e nós por cá, libertou-me e finalmente pude gritar bem alto, "Nós Somos Campeões!". 

 

Do jogo, perdoem-me, foram mais de 30 dias a escrevermos sobre tácticas, jogadores, treinadores e tudo mais, hoje o texto é sobre a alegria de ser campeão europeu. Eu estou muito contente por este título. Os meus olhos ainda brilham enquanto escrevo estas breves linhas. Somos Campeões da Europa!

 

Viva Portugal!

 

Homem do jogo: Rui Patrício