Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

15
Jun16

França 2-0 Albânia : vitória tardia vale qualificação!


Pedro Varela

payet2.jpg

 

Não podíamos começar o texto sobre o jogo desta noite sem falar das alterações protagonizadas por Didier Deschamps para este encontro diante da Albânia. Porquê? Porque liberta tudo aquilo que existe de treinador de bancada dentro de nós, adeptos de futebol. Pogba e Griezmann saíram do 11 titular para entrar Coman e Martial. Ora, isso traduz-se em diversos comentários a favor e contra, com uma certeza, ambos estiveram mal no primeiro jogo. A saída, numa fase de grupos com 3 jogos é aceitável, procurar soluções num sector que se pede mais eficaz.

 

Do lado Albanês, Cana, capitão e defesa central expulso no último jogo, ficou de fora, tal como Xhaka, substituído por Memushaj, dos melhores em campo, na frente Roshi deu lugar a Lila. Como iria reagir a Albânia, neste novo figurino, após um primeiro jogo onde esteve mais de 60 minutos a jogar com dez, era a grande incógnita. Porque a qualidade, mesmo inferior à França, existe e já o tínhamos reforçado na apresentação do grupo A.

 

A primeira parte começa com o domínio natural da França, embora sem grandes ocasiões de golo. Rapidamente atingiu-se o primeiro quarto de hora, onde a posse de bola francesa era muito superior, mas com pouca penetração na área Albanesa. Que não só defendia bem, como contra-atacava com perigo, como aconteceu aos 23' após assistência de Hysaj para Sadiku falhar a emenda.

 

O jogo continuou adormecido, e se Kanté no meio campo era o mais esclarecido e só por bolas paradas de Payet a França tentava assustar a Albânia, já na baliza contrário, aos 38' Lenjani após canto estudado quase engava Lloris. Na realidade, os primeiros quarenta e cinco minutos acabam com as melhores oportunidades a pertencerem à Albânia.

 

Deschamps decide mexer no reatar do jogo com a saída de Martial, praticamente nula a sua exibição esta noite, para a entrada de Pogba que esteve particularmente melhor que no primeiro jogo.

 

Mas à reacção do treinador Francês, Memushaj, que já tinha referido em cima, um dos melhores em campo, atira ao poste colocando em sentido os gauleses. Pogba mostrou-se esta noite mais influente, boa oportunidade para marcar aos 53', mas digamos que neste jogo aconteceu algo muito interessante, pois com 60 minutos de jogo, apesar dos inúmeros remates de ambas as Selecções, nesta altura 17, nenhum tinha ido à baliza. Isso explicava o desacerto completo de França e porque a Albânia poderia aspirar a algo positivo esta noite. 

 

A eficácia Francesa continuava em queda, Giroud continuava a falhar oportunidades de golo feito, tal como acontecera na primeira jornada, e foi preciso entrar primeiro Griezmann e depois Gignac, como curiosidade foi o primeiro francês a actuar na Taça de Libertadores pelo Tigres do México, para o perigo voltar a rondar com frequência a baliza de Berisha.

 

Os últimos 10 minutos são de sufoco para os Albaneses, que já só pensavam no ponto que poderiam conquistar, já com Xhaka em campo, mas a pressão francesa era cada vez maior e praticamente já só se jogava no último terço do ataque francês.

Deschamps pôde respirar de alívio quando Griezmann, que tinha entrado na segunda parte, marcou de cabeça aos 89' o golo da França. 

Era o render por parte dos Albaneses que aguentaram até onde as forças conseguiram, o coração aguentou, mas, quando do outro lado há qualidade individual do nível de Payet, o segundo golo chegou para selar em definitivo a vitória Francesa.

 

Castigo injusto para a Albânia? Talvez. É complicado dizê-lo, porque fez 80 minutos de bom nível aguentando com cabeça as investidas Francesas e demonstrando que está, muito justamente, presente neste Europeu. A qualificação fica praticamente impossível!

 

A França, tal como em 1984 e 2000, arranca o Europeu com duas vitória seguidas e o desfecho é que aquele que sabemos. Mas para já, é a primeira Selecção a qualificar-se para os oitavos de final da competição!

 

Homem do Jogo: Payet