Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

Parque dos Príncipes

Espaço dedicado à cobertura do Campeonato Europeu de Futebol de Selecções a decorrer em França de entre 10 de Junho e 10 de Julho

16
Jun16

Alemanha 0-0 Polónia : o intransponível muro Polaco!


Pedro Varela

540766948.jpg

 

Este jogo entre vizinhos estava rodeado de enorme expectativa pois uma vitória de Alemanha ou Polónia garantia a qualificação para os oitavos de final. Duas selecções bem conhecidas, não só pelo historial de anos em diversas competições, mas porque estiveram no mesmo grupo da fase de qualificação, uma vitória para cada lado, e também porque nos 22 titulares desta noite, 10 jogadores actuam na Bundesliga, o principal campeonato alemão.

 

Do lado germânico, Joachim Löw protagonizou uma alteração, retirando Mustafi, que até tinha marcado no primeiro jogo, para entrar Hummels. Podemos compreender esta modificação num sentido mais conservador, arriscando menos no sector defensivo, jogando pelo seguro.

Já do lado Polaco, Szczęsny que se lesionou na primeira jornada deu lugar a Fabiański e Grosicki a entrar para o lugar de Kapustka, extremo por extremo.

 

A primeira parte começa com natural domínio Alemão, logo com uma oportunidade por Götze, mas foi também o primeiro amarelo do jogo para Khedira. Importante este pormenor, porque retirou alguma agressividade ao médio alemão e de certa forma condicionou a sua actividade no jogo.

Até aos 20 minutos, foi, praticamente, um jogo com sentido único, Müller a ganhar na raça e Kroos a falhar nova oportunidade. Estávamos perante uma Alemanha muito ofensiva, Höwedes e Hector a subir muito no terreno de jogo no apoio ao ataque.

 

Aos poucos a Polónia começou a equilibrar o jogo, muito por culpa dos médios Krychowiak e Mączyński, bem como o lateral Piszczek a contribuir com alguma profundidade na forma como passaram a contrariar o jogo alemão. E se a Alemanha começava a perder algum fulgor, era muito por culpa dos centrais polacos, principalmente Pazdan, que controlavam tranquilamente na sua área a investida dos homens mais avançados da Alemanha.

 

Não admira portanto que o jogo tenha chegado ao intervalo empatado a zero. Não foram capazes, ambas as equipas, de efectuar um único remate à baliza defendida por Neuer e Fabiański.

 

A segunda parte começa com um falhanço escandaloso de Milik após assistência de Grosicki que correspondeu bem à titularidade que hoje lhe foi atribuída.

Götze do outro lado respondeu naquele que foi o primeiro remate à baliza, isto aos 50'. O jogo passou a modo de parada e resposta.

 

Löw demorou a alterar os jogadores que tinha em campo, era evidente que precisava de ter alguém a pensar o jogo e a organizar melhor o ataque, pois o jogo germânico tinha muita circulação de bola e pouca penetração. 

Enquanto isso Lewandowski, do outro lado, quase marcava de livre, estavam bem estudados estes lances de bola parada pela Polónia. Estávamos no melhor período de jogo dos polacos, e Milik, novamente ele, a falhar sozinho na marca da grande penalidade uma oportunidade escandalosa para inaugurar o marcador.

 

Entretanto Özil quase marcava e André Schürrle era a primeira substituição na Selecção Alemã, Draxler também saía de jogo para entrar Gomez, era o pressing final para conseguir os 3 pontos. 

Do lado Polaco, Nawałka, estava contente pelo resultado que ia conseguindo contra aquela que é, provavelmente, a Selecção favorita a vencer o Europeu (tal como a França) e campeã do mundo, pois mantinha intactas as hipóteses de qualificação e até do primeiro lugar no grupo, refrescando o meio campo com a saída de Maczynski por Jodlowiec, também a pensar no amarelo que já tinha, e voltando a colocar em campo Kapustka para a saída de Kuba, que esteve muito apagado durante os 90 minutos.

 

O jogo terminou com um empate a zero, o primeiro do Europeu, num resultado completamente aceitável. A Alemanha mais pressionante na primeira parte e nos momentos finais do jogo, a Polónia soube criar um autêntico muro que esteve intransponível e garantiu um empate muito importante para continuar na competição e conseguir um feito único!

 

Homem do jogo: Michał Pazdan